O Novo Ensino Médio e o desafio da gestão

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

A mudança do formato de trabalho do Ensino Médio não é uma surpresa para escolas, ou não deveria ser.

Desde que a nova Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional foi promulgada, em 23 de dezembro de 1996, há o interesse em mudar a forma com que as escolas educam os estudantes. O ponto de partida foi a constituição de conselhos municipais, estaduais e federal de educação.

Em um processo gradativo de escuta das necessidades locais para o direcionamento dos interesses educacionais do nosso país, as regulamentações foram elaboradas, adequadas e modernizadas.

Recentemente demos o último passo para a mudança: a regulamentação do novo sistema de avaliação do Ensino Básico e Exame Nacional do Ensino Médio. Na prática, temos até 2024 para fazer diferente.

O Novo Ensino Médio impõe um modo de fazer diferente, que privilegia as escolhas dos estudantes, algo inexistente até então. Foram décadas de ensino de adolescentes baseados em método expositivo, todos caminhando juntos, rumo a um único objetivo: o acesso ao Ensino Superior por meio de vestibulares ou ENEM.

Essa mudança leva às escolas a uma nova organização curricular, que desafia o planejamento pedagógico, o trabalho dos professores e a organização administrativa. No que diz respeito à organização administrativa, o impacto financeiro nas escolas pode ser grande, caso a escola não consiga se planejar levando em consideração alguns aspectos essenciais:

O desejo dos alunos

Realizar um ótimo Projeto de Vida pode ajudar na oferta de soluções para o Ensino Médio e nas escolhas dos Itinerários Formativos dos estudantes. Não temos chance de errar e precisamos entender que o trabalho realizado deve ser integrado ao currículo e abranger o máximo de estudantes possível.

Hora aula é diferente de tempo de permanência

Um dos maiores desejos dos estudantes sempre foi o de ter tempo para conversar, brincar, jogar, se divertir. Esse tempo é retirado do dia-a-dia da escola ao longo dos anos, gradativamente até que, no Ensino Médio, os estudantes apenas assistam às aulas. As aulas de  Educação Física significam o único tempo em que eles não ficam em ambientes confinados, como uma sala de aula ou um laboratório.

O Novo Ensino Médio pede para que novas competências e habilidades sejam desenvolvidas com os estudantes, entre elas a capacidade de trabalhar em grupo e de resolver problemas da sociedade, o que é possível apenas se os estudantes tiverem tempo para trabalhar, e não apenas assistirem aulas.

Uma escola que converte tempo de permanência dos estudantes em hora aula, certamente gastará mais, já que precisará de professores para auxiliar o tempo inteiro de permanência dos alunos na escola.

Capacitação de professores

O professor não pode errar e, para isso, precisa ser orientado a trabalhar com metodologias educacionais adequadas ao necessário no momento. Eles precisam estudar e, portanto, a escola deverá oferecer novos programas de desenvolvimento. O que parece ser um aumento de custo, pode provocar justamente o contrário em médio prazo. A metodologia educacional nunca foi tão importante para garantir a relevância educacional e de gestão da escola.

Observar estes três aspectos pode levar a escola ao bom desenvolvimento educacional e a atingir seus objetivos de gestão.

 

Denis Drago

COMENTARIOS