O que você precisa saber sobre a implementação do Novo Ensino Médio – e as mudanças no Enem em 2024

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

O Ensino Médio como conhecemos no Brasil está com os dias contados.

O Ministério da Educação (MEC) definiu em julho, por meio da portaria n° 521, que a reforma será obrigatória a partir de 2022. As novas regras se aplicam tanto à rede pública quanto para a rede privada de ensino. 

O chamado “Novo Ensino Médio” prevê ampliação da carga horária e currículo mais flexível. Sua implementação será escalonada – isto é, uma série por ano, começando pelo 1° ano. Todo o ciclo educacional deve ficar de acordo com o novo modelo em 2024 (confira o cronograma no fim do texto). 

Entendendo o Novo Ensino Médio

A implementação do ensino em tempo integral não será pré-requisito para a viabilização do Novo Ensino Médio. O tempo mínimo de aula, contudo, passa para cinco horas diárias (1 mil horas por ano). Até então, o mínimo era de quatro horas por dia (800 horas anuais). 

A ampliação do tempo de aula é um dos fatores que permite a reestruturação do currículo, a partir da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Além das disciplinas obrigatórias, os estudantes poderão aprender conforme o contexto no qual a escola está inserida e de acordo com as próprias necessidades e interesses. A escolha do aluno é batizada de “itinerário formativo”. 

O novo currículo deve cumprir com as horas obrigatórias de Português, Inglês e Matemática e o colégio deve oferecer itinerários formativos nas áreas de: 

  • Linguagens e suas tecnologias
  • Matemática e suas tecnologias
  • Ciências da Natureza e suas tecnologias
  • Ciências Humanas e sociais aplicadas
  • Formação técnica e profissional

As alterações são de responsabilidade dos estados, que precisam submeter um plano de implementação para análise do Conselho Nacional de Educação (CNE). Em sete estados os referenciais curriculares ainda estão em desenvolvimento; oito já enviaram o plano para o CNE. 

No Distrito Federal e em mais 11 estados, os planos já foram homologados. São Paulo, por exemplo, foi o primeiro a ter o novo currículo do Ensino Médio aprovado pelo CNE, em julho de 2020. Os alunos paulistas terão 12 opções de itinerários formativos. 

“Eu acredito no projeto e que, lá na ponta, professores e diretores e secretários são os grandes responsáveis para que esse Novo Ensino Médio possa acontecer e ser um sucesso para os nossos jovens e para o nosso Brasil”, afirmou em um evento recente o ministro da Educação, Milton Ribeiro. 

A DreamShaper é uma ferramenta online que ajuda os professores a conduzir experiências únicas de aprendizagem baseada em projetos (ABP ou PBL, em inglês) que contemplam diversos eixos estruturantes do Novo Ensino Médio. 

novo-ensino-medio-enem

Atualização no Enem

Com as mudanças do Novo Ensino Médio, o Enem também será atualizado com os itinerários formativos. Atualmente, o Exame Nacional do Ensino Médio é baseado em quatro áreas do conhecimento: Linguagens, Matemática, Ciências Humanas e Ciências da Natureza. 

Para 2024, a previsão é que o Enem siga as novas diretrizes. Isso significa que, em vez de uma prova igual para todos, uma parte do exame será de acordo com o componente curricular escolhido por cada estudante.

Cronograma do Novo Ensino Médio

2017 

  • Reforma do Ensino Médio foi aprovada pela Lei nº 13.415/2017. 

2020

  • Elaboração dos referenciais curriculares por parte dos estados. 

2021

  • Aprovação e homologação dos referenciais curriculares nos Conselhos de Educação estaduais e formações continuadas de professores.

2022

  • Implementação dos referenciais curriculares no 1º ano do ensino médio; 
  • Escolha e distribuição de obras didáticas por área de conhecimento e de formação continuada; 
  • Publicação da portaria do Enem prevendo adaptação às diretrizes do novo ensino médio. 

2023

  • Implementação nos 1º e 2º anos do ensino médio

2024

  • Implementação dos referenciais em todos os anos do ensino médio; 
  • Escolha e distribuição dos materiais e recursos didáticos para os itinerários formativos; 
  • Publicação de novas matrizes de avaliação do Saeb; 
  • Aplicação do Enem conforme as diretrizes do novo ensino médio. 
COMENTARIOS