PBL na prática: conheça projetos desenvolvidos por alunos do ensino básico

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Quando faz a diferença na vida de instituições, professores, alunos e comunidade, a educação é fonte de inspiração.

Na Aprendizagem Baseada em Projeto, cada atividade gera propostas, serviços e produtos capazes de mudar a realidade de todos os envolvidos. 

contamos aqui no blog como o Colégio Vasco da Gama, de Portugal, utiliza a plataforma da DreamShaper para desenvolver projetos com alunos do ensino básico. Também mostramos, com cases reais, como os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) são aliados para colocar os projetos em prática. 

Na instituição portuguesa, por exemplo, os alunos refletiram sobre a falta de áreas verdes e de lazer na comunidade. E, passando por etapas fundamentais de um projeto – entre elas, identificação do problema, escuta e pesquisa –, propuseram uma solução capaz de beneficiar 3 mil pessoas da região. 

Agora, vamos dar uma volta ao mundo para conhecer novos cases da PBL (sigla em inglês para Aprendizagem Baseada em Projeto) no ensino básico. Saindo de Portugal, vamos conhecer projetos desenvolvidos em escolas do Brasil e dos Estados Unidos. Confira abaixo! 

dreamshaper aprendizagem baseada em projeto

Sustentabilidade em foco no Brasil

Em 2020, o colégio Rio Branco, de São Paulo, implementou um processo de inovação curricular. O objetivo era consolidar aprendizagens e aprimorar conhecimentos de alunos do ensino fundamental através da PBL. Desde então, muitos projetos surgiram e evidenciaram um tema decisivo para o futuro da vida no planeta Terra: a sustentabilidade. 

Um deles, desenvolvido por quatro alunos do sétimo ano, investigou maneiras de incentivar moradores das suas comunidades a aderirem à coleta seletiva de lixo. Para chegar lá, os estudantes pesquisaram sobre o tema e entrevistaram especialistas no assunto. 

O mais interessante, nesse caso, é que o ponto de partida, escolhido com base em um ODS, fez com que a trajetória dos alunos passasse por disciplinas como Ciências, Geografia, Matemática e Sociologia. A interdisciplinaridade dos projetos é um dos principais benefícios do PBL. 

Também do sétimo ano, um grupo de alunos propôs maneiras de reduzir a emissão de gases do efeito estufa devido ao uso excessivo de automóveis por moradores do seu bairro. Eles realizaram campanhas de compartilhamento de caronas, adoção de carros movidos por combustíveis menos poluentes e uso de transporte público e de bicicletas. Dessa maneira, estudaram lições sobre assuntos variados como aquecimento global, biocombustíveis, mobilidade urbana e energias renováveis. 

“Esse tema é muito relevante na atualidade e precisa de uma intervenção imediata para que não haja consequências drásticas, como mudanças na produção agrícola e derretimento das calotas polares, causando um efeito dominó”, os alunos escreveram na conclusão, mostrando entendimento maior sobre sustentabilidade. 

Preocupação com a alimentação nos Estados Unidos

Segundo o relatório Trust For America´s Health, a prevalência de obesidade em jovens e adultos norte-americanos é uma preocupação crescente. Dentre as causas do problema está a falta de acesso à alimentação saudável. 

Não por acaso, “fome zero” e “boa saúde e bem-estar” estão entre os ODS. Inclusive, o portal PBL Works apresenta projetos desenvolvidos por alunos do ensino básico dos Estados Unidos e voltados a questões assim. Os modelos podem ser adaptados em qualquer lugar do mundo.

Uma delas se debruçou sobre a seguinte pergunta: como nossa escola pode apoiar nossa saúde e bem-estar geral? Integrando estudantes de diversas turmas, o projeto elaborou um conjunto de recomendações sobre nutrição e exercícios físicos que a instituição poderia adotar. 

Nesse processo, ao mesmo tempo que compreenderam conceitos relacionados à promoção da saúde e prevenção de doenças, os alunos adquiriram habilidades de comunicação interpessoal.  Isso porque foram instigados a defender boas práticas junto às suas famílias, escola e comunidade. 

No mesmo sentido, outra instituição escolheu a ideia âncora “Como podemos planejar e preparar refeições para alimentar pessoas da comunidade?  Em parceria com uma organização local, os alunos pesquisaram receitas e preços de alimentos para montar um plano para oferecer refeições em grande escala. 

Ao articular o acesso à alimentação para pessoas em situação de vulnerabilidade social, os alunos mostraram como o ensino por projetos consegue extrapolar os muros da escola. E, dessa forma, promover a empatia por meio de uma educação inspiradora.

Sobre a DreamShaper

A DreamShaper é uma EdTech que oferece às instituições de ensino, professores e alunos a nível mundial, soluções para implementar Metodologias Ativas de modo simples e eficaz, com foco em Aprendizagem Baseada em Projeto.

Clique para saber mais sobre a DreamShaper

COMENTARIOS