As vantagens de oferecer um currículo por competências no ensino superior

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Antes de escolher por uma ou outra faculdade, a maioria dos alunos verifica os currículos oferecidos pelas instituições de ensino superior (IES).

Afinal, os currículos funcionam como uma carta de intenções, onde é possível observar a política pedagógica, as metodologias de ensino, os conteúdos, os materiais didáticos, entre outros aspectos dos cursos. 

Há não muito tempo, entretanto, os currículos pouco se diferenciavam. Predominava a clássica divisão por disciplinas. Nesse caso, as disciplinas são ensinadas apartadamente – aquelas consideradas mais importantes têm uma carga horária maior em detrimento de outras menos valorizadas. Acontece que essa lógica está com os dias contados. 

Em contrapartida, ganha força o conceito de currículo por competências. O modelo é adotado por IES ao redor do mundo, como a Universidade de Harvard e a Universidade do Porto. No Brasil, o currículo por competências é uma realidade em instituições regionais, como a Unijuí, do Rio Grande do Sul, e grandes grupos do setor, como na Ânima Educação. 

Em resumo, sai de cena a divisão por disciplinas, e entra uma estruturação por unidades curriculares focadas no desenvolvimento de competências intelectuais e atitudinais. Isso não significa o fim dos conteúdos disciplinares – mas, sim, a eliminação das barreiras entre eles. Essa é apenas uma das primeiras vantagens de um currículo por competências. 

Por que adotar um currículo por competências

A seguir, confira três vantagens de oferecer um currículo por competências no ensino superior

1) Adoção de metodologias ativas

A educação do século 21 exige uma inovação curricular e metodológica nas instituições de ensino superior. Enquanto o currículo por competências atinge o primeiro quesito dessa transformação, as metodologias ativas atingem o segundo. Com a vantagem de que os dois funcionam muito bem juntos. 

Geralmente, o currículo por competências é implementado com base em metodologias ativas, como a Aprendizagem Baseada em Projeto (ABP ou PBL, na sigla em inglês). Isso porque ele visa unir os componentes teóricos aos práticos para que o aluno consiga lidar com tarefas típicas da sua profissão. 

2) Aproximação com o mercado de trabalho

Ao promover o desenvolvimento de competências por meio de atividades práticas, a academia se aproxima do mercado de trabalho. Assim, as IES cumprem uma das suas funções básicas: formar profissionais qualificados que dominam a teoria, mas não baixam a cabeça diante de problemas complexos. 

O combo entre currículo por competências e metodologias ativas ainda garante o estímulo às habilidades socioemocionais. Características como criatividade, comunicação, pensamento crítico e autonomia são, cada vez mais, requisitadas pelas empresas e pela vida em comunidade. 

3) Conexão entre conhecimentos

O sociólogo Philippe Perrenoud afirma que “competência é a faculdade de mobilizar um conjunto de recursos cognitivos a fim de solucionar, com pertinência e eficácia, uma série de situações”. Daí, é possível extrair mais uma vantagem de um currículo que derruba as barreiras entre as disciplinas.

O currículo por competências conecta saberes, capacidades e informações justamente para formar cidadãos e profissionais aptos a enfrentar desafios. Ou seja, ao invés de apenas acumular conhecimentos em “prateleiras” separadas, o aluno é instigado a combiná-los em uma abordagem multidisciplinar. 

Sobre a DreamShaper

A DreamShaper é uma EdTech que oferece às instituições de ensino, professores e alunos a nível mundial, soluções para implementar Metodologias Ativas de modo simples e eficaz, com foco em Aprendizagem Baseada em Projetos.

Clique para saber mais sobre a DreamShaper.  

COMENTARIOS