Aprendizagem por Projeto: como elaborar e aplicar um plano de aula?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Elaborar o plano de aula é uma fase decisiva do trabalho do professor. A montagem do roteiro abre caminho para atingir os objetos pedagógicos no dia a dia com os alunos.

No caso de metodologias de ensino inovadoras, como a aprendizagem baseada em projetos (ABP ou PBL, na sigla em inglês), o planejamento faz toda a diferença.

Uma vez em sala de aula, novos desafios se impõem. É hora de colocar em prática as dinâmicas previamente definidas. Nem tudo precisa sair como o esperado: estar aberto às possibilidades que surgem do encontro com os estudantes é parte do processo. Os docentes mais preparados, entretanto, consideram ter em mãos os recursos ideais para enriquecer a aprendizagem. 

A PBL transforma a prática docente. A metodologia oferece uma rotina bastante distinta do método de ensino expositivo. Em vez do tradicional monólogo do professor, há uma série de recursos interativos entre ele e os alunos – o que inclui pesquisas, discussões, reflexões, atividades práticas, trabalhos em equipe, apresentações e feedbacks. E isso é o mais importante: recursos que ensejam a participação ativa do aluno.

pbl na sala de aula

A seguir, apresentamos ideias para elaborar e aplicar um plano de aula a partir do ensino por projetos. 

Os elementos de um plano de aula na PBL

Na elaboração de um plano de aula para a aprendizagem baseada em projetos, alguns elementos não podem faltar. 

  • Tema 

O primeiro passo é definir a temática e os seus desdobramentos, assim como a questão norteadora dos projetos. Uma dica é usar como base os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU). Desafios reais, os ODS são facilmente conectados à realidade dos alunos. 

  • Habilidades

Na sequência, o professor estipula quais habilidades e competências pretende desenvolver por meio da PBL. Nesse momento, as principais referências são a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o currículo da instituição de ensino. 

  • Objetivos e duração da atividade 

O desafio, aqui, é instituir os objetivos específicos pelos quais os alunos desenvolverão as habilidades e competências do tópico anterior. Também é hora de escolher um período de tempo para que todas as etapas dos projetos sejam cumpridas.  

  • Avaliação 

Na PBL, a avaliação precisa ser diversificada. Rubricas ajudam na avaliação do resultado final do projeto. Mas toda a trajetória importa – e conta na avaliação. Defina quais indicadores de aprendizagem deseja colher ao longo da jornada e estimule o feedback e a avaliação entre pares. 

Como aplicar a aula

Não há um caminho único para conduzir as aulas. Tudo depende da modalidade de ensino, do tamanho da turma, da duração e objetivos do projeto, entre outros fatores. As fases descritas abaixo são essenciais para colher todos os benefícios da PBL. 

1) Sensibilização: etapa dedicada à apresentação da temática e da questão norteadora pelo professor aos alunos. Eles também devem ser sensibilizados sobre os objetivos de aprendizagem da proposta, mecanismos de avaliação que serão utilizados e possíveis resultados finais do trabalho. 

2) Reflexão e questionamentos: preferencialmente em grupos, os alunos refletem sobre o tema, trocando informações e dúvidas. Eles discutem os rumos do projeto, meios de pesquisa e formato de apresentação da solução a ser desenvolvida. Enquanto isso, o professor visita os grupos para orientar e tirar dúvidas. 

3) Pesquisa: uma das etapas mais importantes do ensino por projetos. É quando os alunos partem para pesquisa. Individual ou coletivamente, se aprofundam no tema e seus desdobramentos de maneira autônoma. O professor funciona como um mentor e deve incentivar a troca de ideias dentro e entre os grupos, assim como a adoção de fontes variadas de pesquisa. 

4) Desenvolvimento: é quando os alunos colocam em prática os conhecimentos e competências adquiridos nas fases anteriores. Trabalho em equipe, inovação, criatividade, empatia, entre outras soft skills, serão fundamentais no desenvolvimento do produto final. 

5) Apresentação: momento de compartilhar o resultado dos projetos. Mais uma vez, o professor deve incentivar o uso de diversos formatos. Por exemplo, texto, documentário, áudio, videoaula. Também cabe ao docente estimular o feedback e retomar a questão norteadora, verificando se os objetivos foram alcançados. 

 

Sobre a DreamShaper   

Para aproveitar o melhor da PBL, conheça a DreamShaper – uma ferramenta digital especializada em Aprendizagem Baseada em Projetos. Ele fornece a escolas e universidades projetos pré-definidos que incluem desafios, atividades e problemas autênticos em áreas como pesquisa, empreendedorismo, cidadania e carreira – sempre com a possibilidade de personalizar o conteúdo às necessidades do aluno. Além de ajudar o estudante a desenvolver as habilidades mais importantes do século 21, a DreamShaper poupa o tempo do professor, que não precisa planejar os conceitos e aplicações dos projetos. Por incluir as metodologias prontas a utilizar, a DreamShaper permite que o professor se concentre em quem mais importa: o aluno.  

Clique para saber mais sobre a DreamShaper.  

Para agendar uma demonstração da plataforma, entre em contato pelo formulário.   

COMENTARIOS